Ex Improviso

Mínimo sou, mas quando ao Nada empresto a minha elementar realidade, o Nada é só o Resto. Reinaldo Ferreira

My Photo
Name:
Location: Lisboa, Portugal

Dizem que sou como o sol mas com nuvens como na Cornualha

Friday, October 06, 2006

Um pouco de Poção Mágica.

Encontro-me no 6º piso de um edifício de sete andares. À volta desse edifício existem mais blocos de cimento consideravelmente mais baixos e de uma arquitectura diferente, todos no interior de um recinto fechado pertencente à mesma instituição.

Foi por um triz que cheguei a tempo de retirar a senha para tratar de uns papéis. Mais pessoas estavam na minha frente e demorei algum tempo entre secretarias, preenchimento de formulários e tesourarias.

Por fim mandaram-me ao 6º piso, mais tarde iria até ao 7º. Quando começo por tratar de um assunto no primeiro andar e acabo no último lembro-me sempre de um livro que eu li algumas vezes, por volta dos quinze anos, intitulado “Os 12 trabalhos de Axtérix”, porque quando era mais nova, ou por não ser possível tanto consumo ou pela necessidade de gastar energia que a juventude nos proporciona, eu lia os mesmos livros várias vezes.

No referido livro, o pobre do Axtérix anda de um gabinete para outro para obter uma simples autorização num prédio parecido com aquele em que eu estava. E perante tanta burocracia nem a poção mágica o salva.
Já no final, quando coloquei o último carimbo, simpaticamente, perguntei à senhora que me atendia por uma casa de banho. Era mesmo ali ao lado. Entrei. Três lavatórios e três portas azuis fechadas. Esperei pela minha vez. Mas como não ouvia barulhos femininos característicos do uso de casa de banho experimentei abrir uma porta, à cautela, não fosse apanhar alguém com as calças na mão. Não estava ninguém. Entrei e fechei a porta. O trinco de segurança não funcionava. Algum tempo depois verifiquei que não era só o trinco que não funcionava. A porta fechava mas não abria por dentro.

Taurina de gema tento sempre o impossível: primeiro giro o puxador em várias direcções devagar, com jeito, depois abano a porta com toda a força, dou-lhe encontrões à Van Damme, sabendo perfeitamente que aquele não é o método mais indicado, arriscando-me a um ombro deslocado.
Convencida que ia ficar ali para sempre comecei a ganhar reservas para os primeiros dias. Comi uma pêra. Comi uma maçã. Bebi um pacote de leite. Fiquei sem provisões. Finalmente senti que alguém entrava na casa de banho. Gritei.

- Já está aí há muito tempo?- perguntou-me a minha salvadora.

Num relance, olhei para o espelho em frente e vi que ainda não estava coberta pelas pintas azuis do desespero.

- Eu ? Não. Só telefonei para os bombeiros, para a PSP e o 112. – respondi.
- A sério?
- Não. Estou a brincar.
da Leonor

29 Comments:

Blogger António said...

Querida e pobre Leonor!
Com que então trancada num "Water closed"!!!!!
Mas que coisa mais desagradável.
ah ah ah
Belo texto!
Este é mesmo no teu estilo de que tanto gosto.
Obrigado pela visita à casa das Antas.
Devo dizer-te que aparecem algumas personagens relevantes e outras sem interesse.
Mas ainda vão aparecer mais...das importantes.
Este meu trabalho tem, à partida, a intenção de ter mais personagens que os anteriores e contar várias histórias.
É um teste a mim próprio.
Colocar várias caracterizações logo no início tem como objectivo permitir que os leitores mais atentos possam reler essas características, se assim o entenderem, encontrando-as mais facilmente no início.
Tens de me explicar melhor, muito melhor e com desenhos, o que é isso de analepses e prolepses.
A coisa também me saiu assim...sou engenheiro e não letrado...eh eh.
Lá te espero, brevemente.

Beijinhos

9:48 PM  
Blogger Arte por um Canudo 2 (No Sapo) said...

Puxa!..Os pisos que percorreste só para ficar encurralada.É preciso ter azar. Só um pequeno pormenor.. parece que a tua salvadora não ficou muito surpreendida por estares presa. Talvez não fosses a primeira e já ser habitual. Será??Se assim foi porque não compuseram a porta? É o facilitismo português.Bom fim de semana.Bjs

12:44 AM  
Anonymous JMC said...

Pois penso, que para alguns papeis, que são necessários tratar no nosso país, só mesmo com um milagre, é possivel trata-los em devido tempo.
E para que não fique triste por só a si, se ver envolvida nessa peripecias, Eu outro dia tinha a intenção de, de repente conseguir tratar da papelada referente a uma viatura que pretendia vender, vai de consultar na internet, fazer uns telefonemas, até acertar no local onde me deveria dirigir.
Depois das informações e compra do respectivo formulário aguardava-me a espera de qualquer coisa como 122 pessoas (pessoas não, neste caso somos Utentes), lá entreguei o dito, e uma semana depois lá estaria pronto, perguntei se não podia já tratar da segunda fase??, negativo, a segunda fase não era nem sequer nesse edificio, mas num outro em Lisboa, passada a tal semana, lá vou eu para mais uma saga de espera e desespera, mas por fim lá ficou tudo tratado, não sem antes ter feito alguns comentário, se calhar pouco abonatórios em relação aos serviços que eram prestados e dos quais estava a pagar.
É quando então um prestimável colaborador, me diz, mas isso podia tratar tudo de uma vez na Loja do Cidadão.
Então não é que nem os serviços informativos funcionam bem.

Bom fim de semana.

JMC

10:10 AM  
Blogger silencebox said...

Mais um texto que me levou a dar umas gargalhadas empolgantes! Que acontecimento tão hilarante e, na verdade, pode suceder com qualquer pessoa. Eu já estive presa na wc, uma vez, quando era uma criança... Talvez conte este episodio no meu blog. Querida Leonoretta, adoro ler os teus textos, conhecer os teus pequenos momentos e tudo o que sentes, e tens um humor incrivel que me deixa encantada! ;-)
Bom fim de semana!
Um abraço enorme

11:42 AM  
Blogger Luna said...

Não acreditas em mim... eheheh
Mas como vez esta sempre aí um dedinho a dar-te situações onde tens dedesenvolver a paciência,eu sei que não é facil, foi dose demais só para um dia,mas minha querida, tambem ninguem disse que a vida era facil.
beijokas grandes

12:05 PM  
Blogger JLBM said...

Isto só em portugal, é preciso acontecer para se arranjar as coisas ou não!!!

12:42 PM  
Blogger Leticia Gabian said...

Grande e divertida Leonorix!
Como sempre, ri às tabelas. Sabe que já me aconteceu de ficar presa igual? Só que não mantive a sua calma, pois sou claustrofóbica. desde então, não me tranco mais em nenhum.
Beijão, querida.

4:40 PM  
Blogger Leonoretta said...

PARA JMC

meu deus! e queixo-me eu.
mas é como diz, também penso que o pessoal que trabalha nos gabinetes anda mal informado e cada um dá a informação como quer e a que não sabe.
depois é como o povo costuma dizer, quando o mar bate na rocha...
os anos ensinaram-me a fazer o maximo de perguntas possiveis e impossiveis, martirizo, moo a cabeça, mas preciso de certezas e só nao obrigo o outro a assinar em papel azul porque este ja acabou,

abraço da leonoreta

7:27 PM  
Blogger A.J.Faria said...

Pequenos contratempos que esporádicamente acontecem...felizmente!
Bjs

10:41 PM  
Blogger doistons said...

É assim neste reino de sua alteza real a Burocracia. Papéis e mais papéis num país onde tanta coisa falta. Depois as casas de banho. São quase sempre um inferno.
Beijinhos

10:56 PM  
Blogger Professorinha said...

Chamaste essa gente toda e só veio uma senhora salvar-te? :P

Estou a brincar, também...

BEijinhos

12:55 AM  
Blogger Betty Branco Martins said...

Querida Leonor

Eu tenho algumas histórias parecidas com a tua.

Só que eu começo logo a gritar FOGO!! e se isso não resultar lá vai - BOMBA!!!

Com alguns "descaminhos", mas sempre com a boa-disposição que te caracteriza

Beijinhos

1:05 PM  
Blogger AS said...

Querida Leonor, deixo-te um beijo e um sorriso!
Claro que não pude deixar de imaginar a cena!...

6:21 PM  
Blogger augustoM said...

Eu só gostava de ter estado por perto. Telefonaste para tantos locais e esqueceste o Parlamento, bem podiam dar uma mãozinha, para ver fazem alguma coisa de jeito.
Um beijo. Augusto

7:22 PM  
Blogger magarça said...

Quando era criança também fiquei presa na casa de banho, minutos antes da minha audição de violino. Mas fiquei muito quietinha, na esperança que se esquecessem de mim e não ter de desafinar perante a plateia.

12:24 AM  
Blogger MT said...

Grande aventura,

Agora vista tem alguma piada, mas na altura não deve ter tido piada nenhuma.
Em relação aos pisos, essa cena do Asterix está melhor representada até no filme animado os "Os 12 Trabalhos de Asterix", deveras hilariante.

Beijinhos

12:46 AM  
Blogger Barão da Tróia II said...

Kafka não faria melhor.Excelente retrato deste Portugal, coremos que nem loucos para acabarmos encurralados numa pia. Boa semana

2:15 PM  
Blogger José Manuel Dias said...

...só acontece aos outros..é melhor assim...Bjs

11:21 PM  
Anonymous ferrus said...

A tua sorte foi teres cumprido o eterno ritual de colocar o possível dentro da mala; matou-te a fome, ao menos.
Situação caricata, diga-se. Podes ser agradecida ao facto de já teres os carimbos todos...
diz-me onde é esse cárcere, para o caso de ser obrigado a lá ir, poder acautelar as inconvinientes necessidades e assim poder sair do edifício quando queira.
Beijinhos

1:16 PM  
Blogger aldina said...

Se tiver tempo e vontade, leia o castelo do Kafka, a propósito! Comer numa casa de banho pública à espera da possível Salvadora é de sobrevivente à séria:-D

Até sempre!

1:26 PM  
Blogger viajante said...

...e tiveste sorte de isso ser só um " sonho" .Imagina que te acontecìa mesmo?

2:12 PM  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Leonor
Sabei, Senhora, que tal burocracia só existe para que possais rejubilar depois de ter passado todas as provas! É um sistema ancestral de distribuição de alegria, mas é preciso cumprir todos os níveis, tal como num jogo electrónico.
:)
Um beijo
Daniel

4:23 PM  
Blogger doistons said...

Passei para te deixar um beijinho.

8:12 PM  
Blogger APC said...

Ainda bem que a "water" tava "closed" [António], ou, para além de aprisionada, voltavas a ficar encharcada, e isso já foi chão que deu uvas, ou melhor, post que deu chuva!
Curioso o comentário da Aldina, já que me ocorrera logo O Processo, do mesmíssimo K.
Um ou outro, no fundo tanto faz, se é para te perderes numa busca incessante e surreal que te esgota.
Assim foi contigo e, no fim, o prémio: fechada dentro de uns lavabos!!!...
Olha que com K. foi pior: morreu à porta do tribunal, sem ter conseguido saber sequer aquilo de que era acusado.

Um abraço! :-)

1:00 AM  
Blogger LUA DE LOBOS said...

para quem tem crianças por perto

peço desculpa de me utilizar do teu blog mas sei que não te vais aborrecer:)

MUITO GRAVE

e porque é de uma gravidade extrema, agradecia que fossem ao

http://indigo-as-princesas.blogspot.com/

e divulgassem o máximo já que, ao que parece, a nível legal, nada funciona e a megera continua impune e à solta!!!

xi
maria

12:07 PM  
Blogger Paula Raposo said...

Fantástica!! Essa aventura...eh eh eh Beijinhos, bom fim de semana.

9:51 AM  
Blogger Nilson Barcelli said...

Tiveste muita sorte ter entrado alguém...
Mas tenho a certeza que sairias rapidamente da prisão, mas só depois do lanche...
Como é que tiveste estado de espírito para te alimentares em tal local e nessas condições?
Perdoa-me, mas não deixei de sorrir com a tua história...
Bom fim-de-semana.
Um beijo.

2:00 PM  
Blogger Menina_marota said...

ai que coisa!! eu não consigo comentar aqui porquê????!!!!

5:01 PM  
Blogger Menina_marota said...

Outra vez erro!!!!!não acredito!!! desisto!!! vou sanear o blogger!!! ai vou vou!!!

5:02 PM  

Post a Comment

<< Home