Ex Improviso

Mínimo sou, mas quando ao Nada empresto a minha elementar realidade, o Nada é só o Resto. Reinaldo Ferreira

My Photo
Name:
Location: Lisboa, Portugal

Dizem que sou como o sol mas com nuvens como na Cornualha

Friday, August 24, 2007

À volta do nosso eu

Há uma pessoa que me conhece como a palma da sua mão. É a Fernanda. Ela sabe o meu interesse por algumas coisas e a minha indiferença por outras, a minha maneira de me entregar e a minha maneira de desistir.

Vi a Fernanda pela primeira vez no liceu quando passei para o 9º ano (antigo 5º do curso geral). Partilhávamos os mesmos amigos mas não nos falávamos. De certo modo, a Fernanda afastava as raparigas por ser bonita e roubar namorados. Muito mais alta do que eu, o seu ar celta de cabelos claros contrastava com o meu ar de moura, de cabelos escuros.

--------------------------------------------------------

Sempre tive a mania de chegar sempre cedo. Porém, cheguei atrasada no meu primeiro dia de aulas de Setembro de 1976. Já conhecia o liceu e descobrir a sala foi fácil. Com quinze anos não batia às portas. Abri-as simplesmente na minha atitude mais selvagem. E quando abri a porta vi uma sala cheia de gente pela qual eu não morria de amores e cujo lugar vago era ao lado da Fernanda. Nessa turma estava também o homem que viria a casar comigo.

Foi por acaso que ao fim de alguns dias – muitos – começámos a falar, descobrindo que até nos dávamos bem, apesar de nunca termos simpatizado uma com a outra até então. Íamos ao cinema, à praia, jogávamos crapot. A Fernanda foi madrinha do meu casamento e madrinha dos meus filhos quando fizeram a promessa de lobitos nos escuteiros. Ela nunca casou.

Quando eu pensei que os meus filhos já não precisavam tanto de mim voltei aos bancos da escola e fui para a universidade. Nesse tempo, a Fernanda mudou-se para o Algarve. Já não a vejo há doze anos. Uma vez por ano eu felicito-a pelo aniversário e um mês depois ela felicita-me a mim até ao ano seguinte.
--------------------------------------------

Recentemente, num seminário de psicologia fizemos um jogo. Num círculo púnhamos “eu”. E à volta do nosso “eu” várias rodas em vários círculos em duas, três, quatro filas. A primeira fila pertencia às pessoas que estão perto de nós. A segunda e as restantes às que já não estão. Teríamos de rodear as pessoas que já não estão perto de nós e que queríamos telefonar ou ver.

Telefonar, telefonar… não. Mas ver…sim. E desenhei vários círculos no nome da Fernanda.

Leonoreta

22 Comments:

Anonymous JMC said...

Os melhores amigos, não são apenas os que estão perto, mas os que estão no nosso Coração.

JMC

3:18 PM  
Blogger leonoreta said...

PARA JMC

e mais não ha a dizer JMC.
eles duram a vida toda.
abraço

3:21 PM  
Blogger Mocho Falante said...

De facto há amigos em que não vai haver nem longe nem distâncias...nem que a vaca tussa. De facto há amigos para sempre, hoje também eu fui jantar com uma amiga de sempre e para sempre mesmo com uma grande distância a separar-nos

beijocas

12:40 AM  
Blogger Elza said...

Olá!!
Estou passando por aqui para dar meus parabéns
pela sua indicação, ao prêmio blog 5 estrelas!
Seu blog é muito original, parabéns 2x!
rsrs...
Bom fim de semana
=]

5:19 AM  
Blogger viajante said...

Este texto levou-me imediatamente ao de Dulce-Além de Mim.
Não há muitas semelhanças e não há um final menos feliz.
Mas só consigo ligar os dois textos. Não perguntem porquê.
Abraços.

4:19 PM  
Blogger Sophiamar said...

Gostei muito deste post, Leonor. Está aqui um grande pedaço de ti. Amigos ficam para a vida. Longe ou perto.
Tu estás cada vez mais perto de mim.
Onde está a Fernanda? É que eu estou no Algarve, sabes?
Li o post da Dulce. O tema é o mesmo. Amizade em tempo de recordar.
Beijinhos

4:56 PM  
Anonymous arte por um canudo 2 said...

Os amigos são o melhor bem que existe!..Estão sempre perto do coração.Bjs

4:57 PM  
Blogger Sophiamar said...

A Dulce é uma amiga daqui que conhece Faro, é a sua segunda cidade, e cuja mãe era de S.Brás de Alportel.
Vai ao blog dela, por favor. Acredito que vais adorar.
Beijinhos

http://paralemdemim.blogspot.com/

7:15 PM  
Blogger Ludovicus Rex said...

Peace and Love, Imagine...

7:58 PM  
Blogger SaltaPocinhas said...

também não vejo uma das minhas melhores amigas há algum tempo. Mas as melhores amigas são assim: nem precisamos de as ver sempre!

Publiquei hoje um vídeo que dediquei a ti, acho que te vai ajudar nessa história de gestão de conflitos! ;)
beijos

11:05 PM  
Blogger Kalinka said...

LEONORETA

que belo texto...arrepiei-me.

Mais um fim de semana que passou e eu, continuo negra por dentro...mas, a tua companhia virtual faz pequenas maravilhas nas 24 horas do dia.
Desta vez, recebi mais um prémio e um «desafio» respondi o melhor que pude, que foi revelar os 7 acontecimentos marcantes na minha vida! Podem ser marcados pela positiva como pela negativa.

Boa semana.
Beijitos azuis (em homenagem ao meu neto que faz esta semana o seu 1º aninho de Vida).

12:20 AM  
Blogger José Manuel Dias said...

A ausência dá mais significado ao valor da presença.
Abraço

8:07 PM  
Blogger Sophiamar said...

Tens um certificado lá no meu canto. Passa e leva-o. Não precisas fazer nomeações. Gostava muito de o ver no teu blog.
Beijinhosss

5:07 PM  
Blogger Helder Ribau said...

nao passava por aqui à imenso tempo... continua a ser um ptimo refugio...

gostei muitoooo
espero uma visita no meu :)

www.ditosecontos.blogspot.com

10:47 PM  
Blogger Mlee said...

Que post "mai" lindo!
Os grandes amigos são assim, nunca estão à distância e marcam a sua presença no coração e não necessariamente ao telefone ou num jantar fora.

11:02 AM  
Blogger José Gomes said...

Curioso!...
Como conseguiste, ma doçura que transmites ao que escreves, fazer-me recuar aos tempos da escola, do liceu, da caminhada... fizeste-me recordar os amigos que partiram, aqueles que se afastaram por não ter conseguido alimentar a amizade e o deserto em que a Vida se está a tornar... e dei por mim a recordar um belo sonho de um 13 de Junho em que perdi mais que um amigo!
C' est la vie!
Um abraço,
José Gomes (cada vez mais marado!!!)

9:54 PM  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Leonor
O que prova que há amores que são mesmo eternos! Não é preciso estar perto, junto até, mesmo conhecer...
Um beijo
Daniel

12:06 AM  
Blogger Baudolino said...

Há que fazer a viagem ou o convite!
Só temos uma vida e curta.
Eu tenho que falar com o Francisco!
Um abraço

10:17 PM  
Blogger Sophiamar said...

Vim deixar-te beijinhos e desejar-te um bom fim de semana. Voltarei para ler o novo post. Então não iria ao sábado contar histórias? Claro que sim. Gosto muito de as contar e contigo ainda me sentiria melhor.
Até já!

9:26 AM  
Blogger SILÊNCIO CULPADO said...

São estes registos de memória ternurentos que nos fazem crecer tenhamos nós a idade que tivermos. Porque nos oferecem percursos de pessoas com raízes num mundo em que a pressa, a ânsia de poder e a materialidade dos afectos nos fazem esquecer que afinal ainda existem PESSOAS.

8:45 PM  
Blogger lena said...

Leonor, minha amiguinha linda

é no coração que moram os nossos amigos, que importa a distância se sabemos onde moram?

Tu estás mo meu de uma maneira especial, doce e terna, como só tu sabes ser.

por isso estás sempre


abraço-te com muita força, com ternura e acredita que gosto muito de ti

lena

11:16 PM  
Blogger APC said...

Ficam sempre connosco, dentro da nossa roda, levemos essa roda para onde a levarmos.

Muito bonito, Leonor!

12:51 AM  

Post a Comment

<< Home