Ex Improviso

Mínimo sou, mas quando ao Nada empresto a minha elementar realidade, o Nada é só o Resto. Reinaldo Ferreira

My Photo
Name:
Location: Lisboa, Portugal

Dizem que sou como o sol mas com nuvens como na Cornualha

Friday, February 23, 2007

Fragmentos dela, dele e às vezes dos outros (4)

Quando ela chegou ele já lá estava à espera mas fez que não o viu.

- Olá- disse ele.

Ela virou a cabeça na sua direcção. Fingiu surpresa.

- Olá – disse ela.

Andaram pelas tábuas de madeira até ao cimo da duna até avistarem o mar. Dia frio de Inverno, de céu azul limpo de nuvens. Os raios de sol animavam a tarde e as almas que se conheciam desde sempre.

- Não é formidável estar aqui a ver o mar? – perguntou ele.

- É. – respondeu ela.

A espuma das ondas enrolavam na areia. Lembrou-se da canção.

- Tiveste saudades?- perguntou ele
- Faz um ano. Já não me lembrava de nada.
- Eu lembrava-me de tudo.

Também ela. Lembrava tudo ao pormenor. Mas fingiu não se lembrar.


da Leonor

28 Comments:

Blogger António said...

Querida Leonor!
Mais um reencontro.
Desta vez não houve despedida.
Ou terá havido?
Pela resposta que ela deu...acho que houve.
Querida amiga!
Andas em maré de reencontros.
Tu ou as personagens que tu inventas.
Gostei de te ler e do reencontro.

Beijinhos

10:52 PM  
Blogger VOYEUR DE BLOGS said...

Elas são muito mais subtis. Que bom.

11:02 PM  
Blogger Arte por um Canudo 2 (No Sapo) said...

Um reencontro com toda a subtileza que o caracteriza.Parece que a mulher gosta de jogar à defesa e finge o que não devia.Não quero provocar mas parece-me que ele joga às claras e diz o que sente.Gostei deste fragmento que me recorda algo, Bjs

11:26 PM  
Blogger Pepe Luigi said...

Leonor,
Os seus contos têm o previlégio de me fazer meditar, tal como um flasch capta o momento.
É encantador o seu poder descritivo na narrativa.

Obrigado por ter visitado o meu sinestesia-crepuscular.

Um beijinho
do Pepe.

12:58 AM  
Anonymous blugaridades said...

Fragmentos de vida! De vidas! Ele, embevecido, chamou por ela. Ela , que fingiu não o ter visto, ficou feliz, sem que o tivesse dado a entender. E encaminharam-se na direcção do mar.Uma paixão! Aí, onde dois amantes se beijam eternamente, a areia e o mar, eles entraram em maré de recordações. E não se separaram mais.Foram beijos,foram abraços,foram frases saídas do coração, ditadas pelos olhos...frases que valem por mil palavras.
Há silêncios que dizem tanto!
Gosto destes fragmentos, querida Leonor.Continua! Tens leitora! Do Sul!
Beijinhos

9:01 AM  
Anonymous Ana Joana said...

Olá Leonoretta!

O que os sentimentos fazem! Tememo-los, calamo-los, tentamos ignorá-los, como se isso fosse possivel...

Como são determinantes os sentimentos na nossa vida e como são dificeis de gerir. Como nos "tramam" a vida e como lhe dão sentido! Como nos fazem recorrer às nossas competencias mais escondidas para os manifestar ou para os calar.

É tão intimo, tão nosso, que nunca imaginamos que alguem consiga abarcar a sua verdadeira dimensão.

E ficamos (muitas vezes) na expectativa que nos adivinhem rssss.

Bom fim de semana e beijinhos

Ana Joana

9:04 AM  
Blogger António said...

Querida Leonor!
Nesta cinzenta manhã de mais um sábado que se prevê igual a tantos outros (e sem acidentes eléctricos), venho agradecer o teu comentário ao meu texto do elecricista e da ninfomaníaca.
Eu não o disse mas ela era mesmo...

Beijinhos

9:31 AM  
Blogger saisminerais said...

Ola Leonor
Vim dar uma espreitadela no teu blog, vim ler-te um pouco e aproveitar para aprender maisum pouco, não somente das lições da vida e de encontros que ou inventas quiça revives!Quem o sabe? -Talvez os que assiduamente tem veem ler e que ja dvem saber de cor e salteado o que aqui nos dás o prazer de ler.
Sabes amiga, devia de ter sido teu aluno, teria mesmo aprendido a escrever Português com melhor qualidade, mas a Palmirinha, professora primária, minha primeira. Não se esforçou muito, as que se seguiram não tinham um blog para o poder ler e entender o quanto é importante a arte de bem escrever e o conhecimento literário, para que possamos nos exprimir como se estivessemos contando uma história! A da nossa vida, talvez! Sabes amiga?
Por vezes ja sinto saudade dos teus comentários no meu esfumou-se onde tinha a hist´ria da minha primeira namorada... E agora! Agora passado ano e meio esou vivendo de novo algo parecido, a vida muda e dá tanta volta. Descobri que afinal não me esqueci de que ainda existe o romantico em mim! e nem me perguntes sequer porque te conto.
Talvez por um dia ter valorizado imenso quando o comentario era da Leonoreta, A senhora professora! Sei lá! Mas sei que é e será sempre bom ler-te.
Deixo o desejo de um bom fim de semana.
Beijo

10:55 AM  
Anonymous Anonymous said...

O mar enrola na areia,
ninguém sabe o que ele diz,
bate na areia e desmaia
porque se sente feliz.

Mar.

1:33 PM  
Blogger Professorinha said...

As mulheres realmente fazem muito para agradar os outros... e conseguem sempre!

1:55 PM  
Blogger Göttlicher Teufel said...

:)

2:44 PM  
Anonymous JMC said...

Temos aqui, um inesperado, esperado encontro, entre duas Almas 'aquecidas', pelas restias de Sol, desse dia de Inverno em que juntos como algumas vezes fizeram em tempos idos, contemplaram o mar, sempre igual, sempre diferente como qualquer espirito humano.
São naturalmente distantes, foram porventura muito proximos, pode ser que, como não houve despedida, o proximo encontro seja mais natural do que o aqui retratado.

Bom fim de semana

JMC

3:16 PM  
Blogger Paula Raposo said...

Sintético. Como eu gosto. Só que assim, o resultado é nil-nil. Se é que se pretende algum resultado...bom fim de semana.

5:16 PM  
Blogger augustoM said...

O tempo passa a correr, mas não o suficiente para apagar a memória.
As mulheres sem dúvida, são muito mais subtis.
Um beijo. Augusto

9:12 AM  
Blogger AS said...

Há uma doce saudade
que não consegues deixar de sentir!
Mesmo quando sabes
que nada mais poderás ser
senão pegadas de uma gaivota solitária
há muito apagadas pela maré!


Um abraço para ti querida Leonor...

3:37 PM  
Blogger Betty Branco Martins said...

Querida Leonor

Não serão precisas muitas palavras parate dizer____que adoro ler-te.

...)Muitas das vezes nós pedimos emprestado
aos nossos amanhãs
o que devemos aos nossos ontens________residentes da nossa memória

Beijinhos com muito carinho
BDomingo

4:35 PM  
Blogger A.J.Faria said...

Olá, amiga Leonor!
Mais um excelente fragmento que nos deixas!
Sempre gostei da forma escreves, não é novidade para ti!

As reacções dos protagonistas do texto tem muito a ver com a sensibilidade e forma de estar na vida.
Por vezes omitir certas lembranças públicamente, significa reavivá-las interiormente.

Como sempre, um grande beijinho!

5:51 PM  
Blogger lena said...

Leonor, menina linda,
mais um dos "Fragmentos" que nos chegam com reencontros

adoro ler-te, tens sempre algo que me surpreende, devido a tua forma de estar perante a escrita

hoje não importa a despedida, ela chegou como se fosse lhe fosse indiferente e esteve assim o momento todo

acredita eu era que pergunta: - "Não é formidável estar aqui a ver o mar? "

perante ele "o mar" não conseguía ficar indiferente e assistia deslumbrada, como a primeira vez ao doce bailar das gaivotas, enquanto enterrava os pés na areia...


um jogo de defesa, este, muito bem narrado

o resto fica na imaginação...

abraço-te com ternura, querida Leonor, beijinhos muitos

lena

6:19 PM  
Blogger viajante said...

Fingiu não se lembrar e também teve saudades.

4:34 PM  
Anonymous José Gomes said...

Este "Fragmento" fez-me ganhar coragem para ler os outros "Fragmentos" e daqui ler os teus posts que tenho deixado um pouco ao abandono.
Fragmentos são pedaços de tempo passados e que trazem sempre recordações... conseguiste fazer-me recuar ao passado... e que coisas boas descobri! E senti! E sorri, ao recordá-los.
Continuas a ser, Leonor, aquela escritora que consegue transmitir as sensações, as vivências... e com que carinho!
Um abraço
JG

12:12 PM  
Blogger Daniel Aladiah said...

mmm.... pois... pois.... :) e sou eu a meditar, porque imagino e sei...
Um beijo
Daniel

11:06 PM  
Blogger Mocho Falante said...

é o eterno segredo feminino, ou não quer dizer sim, o não quero quer dizer quero...enfim mistérios da natureza

beijocas

11:52 PM  
Blogger António said...

Querida Leonor!
Obrigado pelo teu comentário ao meu post "A ruiva e o namorado".
Queres ser ruiva?
É fácil!
Vais ao cabeleireiro e pintas à maneira!
ah ah ah
Volta sempre!

Beijinhos

9:18 AM  
Blogger individuo said...

This comment has been removed by a blog administrator.

9:40 PM  
Blogger individuo said...

This comment has been removed by a blog administrator.

9:46 PM  
Blogger António said...

Pois!
Morena burra!!!!
ah ah ah
Já sabes mais do que aquilo que eu te ensinei.

Beijinhos

9:48 PM  
Blogger individuo said...

Sabes que o meu humor é contínuo e assim atravessa todas as épocas do ano sempre imune, implacável. O frio do Inverno ou o calor do Verão não têm efeitos directos na minha disposição. Acho que o meu humor é das qualidades mais determinantes na minha pessoa.

Lamento estar aqui a gabar-me mas não ocorre nada melhor pra te responder. Não quis deixar o teu comentário impune! 8)

Ah! E viva a Primavera e as andorinhas e as flores e etc e tal!

9:49 PM  
Blogger aldina said...

Rio, barco e mar são espaços que pronunciam muitas vezes o seu nome, Leonor, quando páro par os ouvir, graçss às suas histórias...

Até sempre

8:46 PM  

Post a Comment

<< Home